POR FORA A LÁGRIMA ENRIJECE!


(Para o jornalista e literato Fernando Soares)

Levedados
com desvirginadas tristuras
recém moídas pela pele
do silêncio

nossos olhares se cozerão
como um febo que arde a fronte frescal
e essa queima é a singela coerção
dos nossos servilismos
às frouxas verdades

onde a proeza
de nos escondermos
(nós que nos falamos poetas)
atrás do véu tecido em brasa
desnuda-se em mil quereres
ante a ordenha das horas
contaminadas pelas fomes arroxeadas
que se deitam ao sereno
no morno colo
dos estômagos mirrados.

Faz frio e a madrugada dos bêbados
foge com o vento que uiva feroz
e a volúpia incurável da grandiloqüência
está em nós (tal o aplanamento das órbitas)
como os letárgicos murmúrios
estão para as papoulas emplumadas
e agonizam à mercê de narinas e ermidas
até que não caibam
em gargantas — insalubres.

Apesar das lonjuras de vagões
o altruísmo do fumo em pranto
já não é o mesmo néctar
e nem os algoritmos nus fumascentos
e nem os enrelvamentos crus dos outeiros
e nem a germinação dos coitos de arpões
evitam a covardia dos lerdos
tombos no cio.

De repente tudo escarra:

Um poema (recatado)
acolchoa limosas vaginas
e arremessa
nossas inconsciências corrugadas
para além
dos pulgões de quinas...

(Ai...!)

Somos em nós
os rojões de desinibidos glúteos
planando com os cânones
de embebedados testículos
e gabamos pêndulos
e fustigamos flamas
de frio corrimento...

Somos em nós
as hígidas penetrações e abalos alavancados
com as talhas de espinhos e quefazer...

Somos em nós
a fricção violenta do cadafalso
com o fulgor labiríntico
do pêco erotismo...

(Ai...!)

Por fora a lágrima enrijece!
Mas as nossas sombras
— quando depuradas dos clitóris voláteis
das amêndoas hospedeiras —,
seguem em nós
como os insurrectos desejos
que viajam da ponte para o sempre,
sob mofa ejaculação.

© Benny Franklin

Fotografia (Angel) gentilmente cedida por "Ana Morkazel".
Deja tu comentario

Sin pensamientos, agrega el tuyo

Publicar un comentario

Hoy nos enlazan...

 
 
 

Blogs interesantes

Entradas
Comentarios

Vota al BLOG DE LA SEMANA

Creative Commons License
La obra literaria expuesta es original del autor y está bajo una licencia de Creative Commons, salvo que el autor la someta a una licencia distinta. Las imágenes y demás elementos son de sus respectivos propietarios. Poetízame no se hace responsable de los contenidos publicados.
.

Comentarios Recientes

 
Subir